Termelétricas terão modelo de gestão automatizado

Nos próximos dois meses, o governo vai definir um modelo computadorizado para coordenar o funcionamento das usinas termelétricas do país, adiantou ontem  (21) o secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, na abertura do 10º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico. O objetivo é que o acionamento das usinas passe a ser automatizado pelo programa Newave, do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Durante o período, serão testados dois modelos. Atualmente, a ordem de entrada em funcionamento das usinas termelétricas é definida pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). De acordo com o secretário executivo, o modelo computadorizado deverá ligar as usinas com base na chamada ordem de mérito, que considera a ordem de acionamento das usinas da mais barata para a mais cara. A escolha deve ser feita até agosto.

O modelo computacional será incorporado ao sistema de cálculo do preço da energia de curto prazo, informou Zimmermann, o que vai aperfeiçoar a definição do custo marginal de operação, alinhando a percepção da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), responsável pelo planejamento energético, e do ONS, que gerencia a operação.

Dois modelos estão em estudo no governo, o SAR (Superfície de Aversão a Risco) e o Cvar (Valor em Risco Condicional, do inglês Conditional Value at Risk), e eles estarão prontos para ser testados a partir de 31 de maio. Entre junho e julho serão feitos os testes, e o resultado será encaminhado à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em agosto, para os procedimentos que permitirão o funcionamento.

“A partir do momento em que você começa a usar o modelo Newave já colocando isso no preço, você vai ter uma ferramenta mais eficaz, tanto no planejamento, que vai dar um sinal econômico para a expansão, como para o operador evitar que tenha proposição de despacho [acionamento das usinas] fora da ordem de mérito para o CMSE”, explicou Zimmermann.

O secretário executivo explicou que o comitê de monitoramento nem sempre leva em conta a ordem de mérito. “Eu faço despacho [aciono as usinas] fora da ordem de mérito, não porque o Newave mandou, mas porque sou eu que tenho um nível meta para atingir por ano e me previno gerando térmica fora do que o Newave mandou. O que queremos agora é que todas essas térmicas sejam ligadas em uma lógica de segurança energética dentro do Newave”.

Fonte: Agência Brasil

Email this page
Este post foi publicado emEnergia, Leitor e tags , , . Bookmark o permalink.Este conteúdo está fechado ara trackbacks, mas você podepostar um comentário.

Deixe uma resposta