Russia recruta Caramujos Gigantes para monitorar poluição do ar

Já ouvimos falar do uso de caramujos gigantes como fonte de alimentação para comunidades subnutridas e eu também já li uma reportagem dizendo que na Nigéria, a produção destes moluscos poderia ajudar no combate da extinção dos gorilas, servindo como fonte de renda para as comunidades pobres da região, mais atrativa e rentável do que a caça ilegal dos animais ameaçados. No Brasil a espécie já chegou a virar uma praga, agora será que na Rússia, esta criatura poderá ajudar com os problemas de poluição do ar?

Fonte: Wikipedia / Treehugger

De acordo com a PhysOrg, uma companhia de sanemaneto na Rússia está utilizando 6 caramujos Achatina, conhecidos também por Caramujo Gigante Africano, para testar o monitoramento da poluição de seu incinerador de esgoto. Acoplados a monitores cardíacos e sensores de movimentos, os animais ficam no ambiente respirando o ar, enquanto os pesquisadores cuidam da leitura dos dados e determinam os níveis de poluição vinda do incinerador.

De acordo com Dmitry Artamonov, que comanda o escritório do Greenpeace de São Petesburgo, “a queima do lodo emite dioxinas tóxicas”. Além disso, o uso de caramujos, ao invés de tecnologias mais avançadas de medição de poluição atmosférica é uma prática um tanto quanto “estranha” e dependendo da significância do nível de poluição, ela pode ser também considerada cruel.

Se eles tiverem apenas fazendo um experimento inovador no monitoramento de poluição, estudando o comportamento dos animais, é uma coisa, mas também acho um ato estranho, se eles tiverem buscando por dados confiáveis dos níveis de poluição.

Via: TreeHugger

Email this page
Este post foi publicado emInternacional e tags , , . Bookmark o permalink.Este conteúdo está fechado ara trackbacks, mas você podepostar um comentário.

Deixe uma resposta