35 anos de aquecimento global

Na semana o aquecimento global completou 35 anos. Além de a Terra aquecer há mais de três décadas, no dia 8 de agosto de 1975 foi publicado pelo cientista americano, Wally Broecker, o primeiro estudo científico que usou o termo “aquecimento global”.  Broecker é reconhecido sobretudo por seu trabalho sobre a relação dos oceanos e as mudanças do clima. O estudo “Mudança Climática: Estamos à beira de um aquecimento global pronunciado?”, que foi publicado no mesmo ano na revista Science, diz que no século XX o planeta estaria 0.8OC mais quente devido à concentração de dióxido de carbono na atmosfera, sendo que naquele período o aquecimento ainda não era evidente. Os níveis de CO2 aumentavam, mas as temperaturas diminuíam.

De acordo com a Época “O prenúncio do aquecimento global foi baseado, primeiro, a partir de constatações de que as emissões de carbono cresceriam 3% ao ano. Depois, que cerca de 50% do carbono emitido fica aprisionado na atmosfera. Broecker calculou que a concentração do gás subiria de 296 para 403 ppm entre 1900 a 2010. E associou isso ao aumento de temperatura. Ele enxergou o aquecimento quando o mundo esfriava, pois considerou a variação natural do clima que ocorre de tempos em tempos. As estimativas estavam um pouco acima do que realmente aconteceu. Alguns aspectos, como a atuação de outros gases do efeito estufa e a concentração de calor nos mares, ainda não eram compreendidos”.

Segundo a National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), órgão de metereologia dos Estados Unidos, em 2008 a concentração de carbono na atmosfera era de 385 ppm. Um estudo do Global Carbon Project (GCP) mostra que o maior crescimento da concentração foi de 1.93 ppm entre 2000 e 2006. Desde a Revolução Industrial até 2007, o aumento foi de 37%. A temperatura global também alcançou seu recorde na última década. O National Climatic Data Center, do NOAA, aponta que entre os dez anos mais quentes da história, nove são da década passada. Além disso, os quatro primeiros meses de 2010 foram os mais quentes da história.

Há quem desconfie de que o globo está esquentando. No começo do ano, o IPCC (Painel Intergovernamental de Especialistas sobre Mudanças Climáticas), da ONU, foi questionado sobre a precisão de informações divulgadas no relatório de 2007. Mas as evidências foram publicadas em estudos feitos ao longo desses 35 anos. Há muito tempo o aquecimento global é tido como certeza pelos grandes centros de pequisa.

Recentemente o NOAA divulgou uma pesquisa que frisa a crise do clima. A pesquisa leva em conta indicadores que não entraram naquele relatório do IPCC. Ela afirma que 7 entre 11 indicadores estão se intensificando. São eles a temperatura do ar sobre a terra, da superfície do mar, dos mares, o nível do mar, o calor do oceano, a umidade e a temperatura da troposfera (camada da atmosfera mais próxima à superfície da Terra). Em contraponto, o gelo do mar Ártico, as geleiras, a neve no hemisfério norte e as temperaturas na estratosfera estão diminuindo. O aquecimento global é inegável.

Fonte: Época

Email this page
Este post foi publicado emAquecimento Global e tags . Bookmark o permalink.Este conteúdo está fechado ara trackbacks, mas você podepostar um comentário.

Deixe uma resposta