Contêiners: Uma resposta para habitação no Haiti?

A Universidade e Escola de arquitetura Clemson está tendo o seu momento de fama com o projeto SEED, no qual eles transformam contêiners em habitações. Com o desastre no Haiti, o Professor Doug Hecker fala sobre o assunto no Science Daily:

“Por ser uma estrutura única, os contêiners são também muito bons para áreas propensas a abalos sísmicos e excedem o código estrutural nos EUA e em qualquer outro país do mundo,” diz Hecker. “Eles também vem sendo utilizados em outros países como abrigos de emergência em caso de terremotos. Na medida em que o projeto SEED for desenvolvido, essa com certeza será uma área que iremos incorporar. Com apenas alguns cortes simples em sua estrutura, um contêiner pode se tranformar fácilmente em algo habitável.”

O designer Cameron Sinclair pelo contrário, acredita que este tipo de solução não seja ideal às necessidades das pessoas que moram lá.

“Depois do furacão Katrina nossos profissionais de arquitetura e construção ficaram 4 anos morando e trabalhando em Biloxi, Mississippi e New Orleans, Louisiana. Ao estabelecer centros de recursos habitacionais para a comunidade e trabalhar direto com as famílias nós não apenas criamos estruturas apropriadas e sustentáveis, mas verdadeiros lares adaptados às vidas de seus residentes. Para nós podermos atender a famílias sofrendo nesse instante, nós necessitamos desenvolver uma iniciativa a longo prazo de reconstrução que inclua principalmente as vozes dos afetados.”

“Soluções Top down solutions irão causar trágicas consequências as próximas gerações. Isso não pode acontecer no Haiti, eles já sofreram o bastante”.

O projeto SEED com certeza apresenta muitas boas idéias, e não há dúvidas que os contêiners são capazes de suprir muitos dos problemas, mas Cameron levantou um ponto muito forte.
Qual é a sua opinião?

Email this page
Este post foi publicado emDesastres, Ecodesign, Sustentabilidade e tags , . Bookmark o permalink.Este conteúdo está fechado ara trackbacks, mas você podepostar um comentário.

Deixe uma resposta