UE se compromete a reduzir emissões em 95% até 2050 se acordo for assinado em Copenhague

Na tentativa de mostrar que é a líder mundial na questão de prevenção das mudanças climáticas, a União Europeia (UE) declarou que irá reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa em 95% até 2050. A meta a curto prazo é de uma redução de 20-30% até 2020, se um novo acordo climático for assinado em dezembro, em Copenhague.

Algumas ONGs como a Friends of the Earth e Greenpeace, acharam a meta para 2020 inapropriada, a meta maior porém, está dentro do que os cientistas dizem ser suficiente para nos prevenir dos piores impactos das mudanças climáticas.

O ministro do meio ambiente da Suécia afirmou que “Isto é para ser visto pelo mundo como uma mensagem clara. Nós esperamos chegar a um acordo em Copenhague.”

A assinatura de um acordo climático ainda não está garantida nas mesas de negociações. Existe uma grande lacuna entre a redução de emissões oferecidas pelos Estados Unidos e o nível de comprometimento que a Índia e a China (que agroa são parceiros de um acordo climático de coperativo de 5 anos) disseram que irão assumir em um acordo global.

Yvo de Boer, secretário principal da parte de Mudanças Climáticas da ONU, recentemente disse que a probabilidade de conseguirmos chegar a um acordo global no final da COP15 é cada vez menor, pois até o início da conferência só restam 5 dias oficiais de negociação para que todas estas lacunas sejam preenchidas.

De Boer sugeriu que se os países desenvolvidos concordarem em reduzir entre 25-40% suas emissões até 2020, os países em desenvolvimento devem também se comprometer com metas de redução de emissões conjuntas.

Outro ponto para ser trabalhado são as emissões individuais. Como países, a China é o principal emissor de carbono e a Índia ocupa o quarto lugar. Porém, quando analisamos as emissões per capita, elas estão entre as mais baixas do mundo. A da Índia por exemplo, correspode a 1/10 das emissão média per capita da Europa e 1/12 dos Estados Unidos.

Email this page
Este post foi publicado emAquecimento Global, Internacional e tags , , . Bookmark o permalink.Este conteúdo está fechado ara trackbacks, mas você podepostar um comentário.

Deixe uma resposta