Conclusões do Congresso Mundial Florestal 2009

Na semana passada, dos dias 18 à 23 de outubro, ocorreu em Buenos aires o XIII World Forestry Congress, XIII Congresso Mundial Florestal. A menos de 2 meses da conferência em Copenhague, com as mudanças climáticas no centro das discussões políticas, sendo as florestas uma ferramenta crítica na luta contra o aquecimento global, as discussões nos paineis do congresso foram de interesse especial neste ano.

Abaixo estão algumas das principais ideias e conclusões provenientes das discussões realizadas no congresso. Os principais assuntos abordados durante o evento giravam em torno dos seguintes conceitos:

-Florestas não são templos sagrados nos quais o homem não pode interferir. Pelo contrário, e obviamente, o uso dos recursos florestais deve ser feito com planejamento e responsabilidade;

-Florestas não significam apenas carbono, elas abrigam em torno de 2/3 da biodiversidade terrestre, geram bens preciosos como água, alimento e renda,  a partir de mais de 5000 produtos florestais. Elas também representam a identidade de mais de milhões de pessoas;

-Toda e qualquer decisão tomada para preservar as florestas deve considerar a melhoria da vida das pessoas que sobrevivem da floresta. Especialmente porque a pobreza e falta de recursos é responsável pelo desmatamento irresponsável em muitas partes do mundo;

-Com uma população crescente que deve ser alimentada, é impossível parar o desmatamento completamente. Porém, a expansão da agricultura e o uso das florestas deve ser realizado com um planejamento responsável;

-Florestas urbanas e ao redor das cidades são ferramentas poderosas para ajudar na adaptação às mudanças climáticas;

-Nós precisamos de monitoramento e tecnologias de coleta de dados em maior quantidade e qualidade, para tomar decisões mais embasadas;

-Apesar de serem ótimas ferramentas para lidar com as mudanças climáticas, os programas REDD e REDD+ devem ser simplificados para serem rapidamente adotados pelos países;

-Para dar sequência à conservação, existe a necessidade de se trabalhar em coordenação com os governos, organizações e comunidades nativas;

-E por último, mas não menos importante: a criação de um modelo de uso sustentável de florestas não significa que temos que renunciar o desenvolvimento, pelo contrário, representa uma ótima oportunidade de gerar empregos e novos serviços.

Além dessas ideias discutidas durante o congresso, as autoridades do evento elaboraram uma lista com as conclusões oficiais e um documento com recomendações para os líderes mundiais que será levado a Copenhague.

Email this page
Este post foi publicado emEventos, Florestas, Internacional e tags , . Bookmark o permalink.Este conteúdo está fechado ara trackbacks, mas você podepostar um comentário.

Deixe uma resposta